Saiba como a pressa pode ferir sua equipe

Tempo de leitura: 6 minutos

“Eu preciso disso pronto o mais rápido possível”.
“Você pode começar essa tarefa o mais rápido possível?”
“Vamos nos encontrar o mais rápido possível para discutir isso!”

Você ouviu várias vezes ao longo de sua vida a frase “tempo é dinheiro”.

Então, inserir essa ideia de “o mais rápido possível” em toda tarefa que você fizer, é uma boa maneira de economizar dinheiro, não é mesmo?

Todo mundo precisa de tudo, e tudo precisa ser urgente.

Pessoa com pressa

Familiarizado com essa realidade?

Mas como saber o que é realmente urgente, quando tudo é urgente?

O que é mais urgente que as outras urgências?

Só de ler isso já não dá uma aflição?

Imagina então viver nesse estado todos os dias!

Com esta mentalidade, estamos criando um ambiente de “agitação agitada”, arrancando os nossos cabelos tentando alcançar os prazos, fazer reuniões, ser produtivo, inovador, criativo e (além de tudo) avançar em nossos objetivos de carreira pessoal.

E esse problema está apenas piorando.

Acha exagero?

O TripAdvisor realizou uma pesquisa internacional sobre as principais atividades de trabalho que os trabalhadores normalmente fazem durante as férias.

Aqui estão os resultados:

Todo ser humano precisa de uma válvula de escape, e o tempo de férias dá a oportunidade para você “recarregar suas baterias”.

Mas, como podemos ver na tabela acima, muitas pessoas não conseguem desligar totalmente de seus trabalhos, e essa “recarga” fica comprometida.

Embora o tempo não seja um recurso ilimitado – portanto, sim, é importante fazer uma gestão correta dele – precisamos parar de priorizar a velocidade sobre a qualidade, e parar de sacrificar nosso tempo que deveria ser utilizado para o descanso.

O PROBLEMA COM O “O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL”

O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL significa hoje ou amanhã?

Próxima semana ou próximo mês?

“O mais rápido possível” para a pessoa que dá o pedido pode significar algo completamente diferente do que para a pessoa que recebe o pedido.

Uma vez que o pedido é nebuloso, ele raramente fornece informações certas sobre o prazo em que a tarefa deve realmente ser concluída.

Não só isso, mas essa mentalidade prejudica também o engajamento dos funcionários.

Pessoa correndo com pressa

Quando os colaboradores constantemente precisam acelerar demais e se esforçar além da conta para fazer as realizar a tempo, sua confiança e motivação diminuem e, eventualmente, levam a funcionários desgastados e à “síndrome do burnout” que, afastados, acabam representando um “custo não-produtivo” para a empresa.

Além, claro, de todos os problemas advindos com a falta de engajamento.

Você já deve ter presenciado pessoas trocando de empresas – mesmo para, por vezes, ganhar menos! – porque não gostam do ambiente de trabalho.

Mas então, quais são as consequências da cultura do “o mais rápido possível” na qualidade de nosso trabalho – e até mesmo de nossa qualidade de vida – e o que fazer para reduzir as vezes em que essas palavras surgem em nosso vocabulário?

Descubra continuando a ler esse post.

Até aqui mostramos como a cultura do “o mais rápido possível” afeta a qualidade do trabalho e o bem-estar de toda a equipe.

Os resultados dessa cultura nem sempre são positivos – na realidade, quase nunca.

Quais são esses efeitos, e como mudar essa situação? Vamos lá:

OS EFEITOS COLATERAIS DO “O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL”

Relógio contra a pressa

A falta de confiança é instaurada na equipe

Quando alguém pede algo para você, sendo necessário ser feito o mais rápido possível, como isso faz você se sentir?

Se você se sente empoderado e motivado, parabéns, você é oficialmente maluco. A grande maioria das pessoas sente exatamente o oposto.

A confiança é altamente afetada quando alguém lhe diz para fazer algo o mais rápido possível.

A impressão que a grande maioria dos profissionais tem quando esse tipo de situação vira rotineira é: “se você não conseguir isso pra agora, então você não tem valor”.

Em vez disso, tente dizer algo como: “Esta tarefa é crítica, quais são atualmente suas tarefas em execução, para que possamos avaliar as prioridades e mudar algumas?”.

Assim você não está colocando toda a responsabilidade em cima do indivíduo, e fazendo um ótimo papel de líder.

O planejamento sai dos trilhos

Toda vez que uma tarefa “o mais rápido possível” surge, o planejamento é totalmente desalinhado.

Quando uma tarefa que não estava planejada é empurrada para o topo da lista, todas as outras tarefas importantes (e aquelas que não são tão importantes, mas que precisam ser feitas) são empurradas para baixo.

É questão de física, dois corpos não ocupam um mesmo lugar ao mesmo tempo.

Na grande maioria das vezes, uma tarefa urgente é urgente porque não foi bem planejada.

Busque planejar-se melhor para evitar esse tipo de imprevisto.

Corrida contra a pressa

A produtividade é destruída

Parar uma tarefa em desenvolvimento para iniciar outra tarefa “o mais rápido possível” destrói totalmente o ritmo e a produtividade da primeira tarefa.

Alternar entre tarefas (conhecido como multitasking) normalmente leva 40% a mais de tempo para completar todas as tarefas do que se você estivesse cumprindo cada uma separadamente.

Faça uma tarefa de cada vez. Se houver uma tarefa que apareça atropelando, seja claro e comunique que você já está trabalhando em uma tarefa diferente.

A partir daí seu gerente deve dizer se deve colocar essa primeira tarefa de lado e se concentrar na nova, mais crítica, ou completar a tarefa em que você está trabalhando antes de mudar para a crítica.

A qualidade é sacrificada pela velocidade

Quando você está tentando concluir algo o mais rápido possível, é praticamente garantido que você estará sacrificando qualidade para fazer isso em menos tempo.

Quando isso acontece, as chances de ter que fazer edições e aumentar o retrabalho aumentam exponencialmente, e você acaba gastando o dobro de tempo – e as vezes ainda mais! – trabalhando nessa tarefa no fim das contas.

Não deixe a urgência ofuscar a qualidade do trabalho.

Se algo vai demorar um pouco mais, os clientes e as partes interessadas geralmente estão mais do que dispostos a aguardar um pouco mais para um bom trabalho do que não aguardar e, em seguida, obter algo que não atenda às suas expectativas.

Pare de usar o mais rápido possível, o mais rápido possível!

Se você se considera alguém que transforma tudo em “situação crítica”, é melhor repensar sua estratégia.

Sacrificar a confiança de sua equipe, outros prazos, produtividade e qualidade do trabalho não vale o tempo economizado acelerando a execução de uma tarefa que não estava planejada.

Equipe com pressa

Lembre-se: quando a empresa tem indicadores de gestão ela consegue ver o cronograma e com base nestas informações saber que uma tarefa urgente pode ser inserida no cronograma e também o quanto essa tarefa pode atrasar.

Bons negócios!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *