5 maneiras de você conseguir vencer a procrastinação

Tempo de leitura: 4 minutos

As chances são grandes de você estar procrastinando algo nesse exato momento.

Talvez você inclusive esteja lendo esse post para procrastinar algo que você tem a fazer.

Pode ter certeza, se você passar a fazer um controle rigoroso sobre seu tempo, vai perceber que você procrastina muito mais do que imagina.

Você já se perguntou o porquê você procrastina alguma tarefa, mesmo que ela tenha sido desenhada para atender os seus melhores interesses?

Leitura recomendada: Diversão obrigatória: já parou para pensar sobre os perigos?

Por exemplo, começar uma academia, terminar aquele relatório, iniciar aquele processo que tem potencial de lhe render milhões no futuro, etc.

O que fazer para superar essa procrastinação, principalmente sem nos odiar no processo?

Por que procrastinamos?
Tim Pychyl, autor do livro “Resolvendo o Quebra-Cabeças da Procrastinação”, diz que 95% das pessoas que ele entrevistou para escrever seu livro admitem que procrastinam algo regularmente.

E ele ainda diz que tem certeza que as outras 5% mentiram.

Pychyl classifica a procrastinação como uma reação emocional puramente visceral que acontece quando precisamos fazer algo que não queremos fazer.

Quanto mais você for averso a realizar uma tarefa, maior é a tendência de você procrastiná-la.

Pychyl identifica em sua pesquisa sete gatilhos que fazem com que uma tarefa pareça mais aversiva:
* Chata;
* Frustrante;
* Difícil;
* Ambígua;
* Desestruturada;
* Não recompensadora intrinsecamente (você não acha o processo divertido);
* Falta significado pessoal.

No nível neurológico da coisa, a procrastinação é puramente emocional, não tem absolutamente nada a ver com o seu lado lógico.

O seu lado lógico se rende quando você escolhe olhar o Facebook ao invés de trabalhar, ou decide assistir um novo episódio de House of Cards ao invés de estudar.

Mas há um jeito de você dar uma vantagem ao seu lado lógico.

Quando você nota uma batalha entre o lado lógico e o lado emocional, fica mais propenso a resistir ao impulso de procrastinar.

Aqui estão os cinco meios científicos levantados por Pychyl para conseguir isso:

Reverta os gatilhos da procrastinação

Reflita sobre qual dos sete gatilhos apontados por Pychyl fez com que você tenha entrado no estado de procrastinação.

Então tente pensar de forma diferente sobre a tarefa, tornando a ideia de cumpri-la mais atrativa.

Por exemplo, fazer um relatório mensal.

Se você acha isso chato, você pode transformar essa tarefa numa espécie de jogo: veja quantas palavras você consegue digitar em 20 minutos.

Ou, se você acha a tarefa desestruturada, tente criar um workflow que dê os passos exatos para que você e/ou seu time cumpram com essa tarefa.

Trabalhe dentro de seu nível de resistência

Quando uma tarefa dispara gatilhos de procrastinação, nós resistimos a fazer ela. Mas o quão resistente somos?

Vamos dizer que você precisa fazer uma grande pesquisa para um projeto vindouro.

Para descobrir seu nível de resistência, considere o esforço que você compromete para aquela tarefa, em uma barra deslizante.

“Tá, como assim?”, você pergunta.

Digamos que você precisa ler por uma hora.

Mas uma hora é muito tempo, que tal meia hora?

Ainda é muito?

E vinte minutos?

Encurte o tempo que você vai despender para aquela tarefa e a execute!

Faça alguma coisa – qualquer coisa – para começar

É mais fácil continuar a fazer uma tarefa depois que você superou o obstáculo inicial de iniciar ela.

Isso ocorre porque tarefas que induzem à procrastinação geralmente não são tão ruins quanto achávamos que eram.

Liste os custos da procrastinação

Essa tática funciona principalmente quando você está procrastinando tarefas grandes.

Pode não valer a pena gastar 20 minutos listando os custos de não ir para a sua corrida matinal.

Mas esse esforço pode valer a pena para algo maior, como o custo de não começar a economizar agora para sua aposentadoria (o que pode afetar em sua vida social, finanças, estresse, felicidade, saúde, etc.).

Também vale a pena fazer uma lista de coisas que você procrastina em sua vida pessoal e profissional, grandes e pequenas, para calcular o custo de cada uma delas.

Desconecte

A internet – seja em nossos celulares ou em nossos notebooks e computadores – são uma verdadeira cornucópia de distrações.

E-mail, mídias sociais, WhatsApp com os amigos, tudo isso torna difícil nos concentrarmos naquilo que deveríamos estar fazendo.

Todas as vezes que você notar que está procrastinando com a internet, se desconecte.

Deixe o celular em outra sala, desligue a internet.

Há também alguns softwares como o Freedom e o Self Control, que bloqueiam o acesso à sites que podem lhe distrair, e que obrigam o usuário a manualmente reiniciar o computador para acessar esses sites.

Pode parecer meio drástico, e na verdade é.

Mas desabilitar todas as distrações digitais vai acabar lhe obrigando a trabalhar no que é realmente importante.

Essas são as formas cientificamente comprovadas de se combater a procrastinação.

Da próxima vez que você estiver resistindo a fazer uma tarefa, se pergunte quais dos gatilhos essa tarefa está disparando, e o que você pode fazer para contornar esse gatilho.
Sua carreira e sua vida pessoal lhe agradecem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *