Metas: Como 6 empresas de tecnologia alcançaram as suas

Tempo de leitura: 6 minutos

Se as suas metas são escalar ou fazer seu negócio crescer, acredito que uma boa ideia é ouvir empresários que já conseguiram isso.

Nessa matéria é exatamente isso que você vai encontrar.

Relatos e ponto de vista de empresários do setor de tecnologia.

(para receber esse tipo de conteúdo super relevante, cadastre-se na nossa newsletter no topo desse blog, que nós enviaremos uma vez por semana essas novidades no seu email)

Antes de mais nada…

Um tipo de meta ou de abordagem pode funcionar para uma empresa e não funcionar para outra.

Isso depende muito da cultura e dos valores do seu negócios.

Mas uma inspiração é sempre bem-vinda.

Procure entender a essência de cada dica e tenho certeza que sua caxola vai ficar matutando esse assunto por uns dias.

Empresa: Ratio – Palavra-chave: Colaboração

metas

A colaboração é o ponto central na Ratio, que atualmente conta com uma equipe de 19 pessoas.

Mesmo as pessoas que têm funções mais operacionais, buscam constantemente uma forma de automatizar as tarefas mais simples.

Sempre focando em concentrar a energia nas coisas mais importantes e interessantes para a empresa.

Eles dizem que nenhuma pessoa possui todas as habilidades para trabalhar sozinha em um projeto.

Por isso a colaboração é a parte central da cultura da Ratio.

Marc Biles , fundador e CEO da Ratio, investe até dois meses todos os anos atualizando o plano de negócios anual da empresa.

Durante esse processo, ele define os principais objetivos e metas daquele trimestre.

Cada equipe tem direito de escolher também seus próprios objetivos e metas para aquele trimestre.

Marc supervisiona todo o processo, visando garantir que está tudo encaixado com os objetivos e visão dos negócios para os próximos 12 meses.

No decorrer do tempo ele foca sua energia para incentivar as equipes a alcançarem suas metas.

Garantindo assim que as metas das equipes estão alinhadas com as metas gerais da empresa.

O segredo, segundo Marc, é manter isso o mais simples possível.

Empresa: Makers Academy – Palavra-Chave: Confiança

confiança

A Makers Academy também possui uma estrutura bastante flexível onde o próprio grupo de 24 pessoas se auto-organiza em torno das tarefas.

Eles trabalham juntos para identificar 3 pontos principais:
•Quem é o melhor para tomar as decisões
•Quem é melhor para liderar um certo esforço
•E quem é o melhor para ajudar

Essa hierarquia muda com cada tarefa.

O co-fundador e CEO Evgeny Shadchnev diz que eles constroem essa autonomia nas pessoas com base na confiança e não no medo.

A Academia Makers começa tem a premissa de que todos os membros da equipe são confiáveis para fazer o melhor para a empresa.

No início ele tinha receio de onde essa ideologia os levaria.

O resultado é uma equipe que decide o que eles trabalham, como será feito e quanto eles são recompensados financeiramente por isso. (sério! financeiramente!)

Os invés de estabelecer uma meta de receita para o final do ano, por exemplo, eles se organizam em torno da missão da empresa perguntando:

• Qual é o objetivo da empresa?

• O que podemos fazer hoje para nos aproximarmos desse objetivo?

Como todos estão tentando fazer o que é melhor para a empresa, mesmo que uma estratégia ou teste falhe, ela se auto-corrige e funciona no longo prazo.

É por isso que a Evgeny sugere concentrar-se no longo prazo e contratar pessoas que dividem dessa mesma essa visão.

Empresa: Vinil Me Please – Palavra-Chave: Objetivos Práticos

objetivos práticos
Na Vinil Me Please ao todo são 15 membros com diferentes áreas de negócio onde cada membro possui sua tarefa específica.

Todos se juntam a cada 15 dias para relatar o progresso, dar ideias e ajudar no projeto de seus colegas.

A equipe de liderança da empresa relata sua visão geral e apontamentos sobre o progresso dos projetos.

O Co-fundador Tyler Barstow, diz que isso é importante pois conseguem acelerar projetos que não estão indo tão rápido e “celebrar” aqueles que estão.

Para Tyler na hora de definir as metas é preciso delinear objetivos práticos.

Eles então organizam esses objetivos de uma maneira que torna as pessoas responsáveis para realizá-los e também, permite que sejam livres para mudar a direção ao longo do caminho.

Empresa: Marvel – Palavra-Chave: Liberdade

liberdade

Com 31 funcionários, a Marvel recentemente dividiu sua equipe apenas em “departamentos principais”.

Cada equipe tem sua própria mini-cultura e forma de trabalhar, com um líder atribuído a cada uma.

O co-fundador Murat Mutlu e a equipe de liderança então, apenas escolhem as melhores ferramentas, processos e técnicas de colaboração para as equipes e seus líderes.

Na sua fase atual, a Marvel usa KPIs (indicadores-chave de desempenho) para manter a equipe alinhada à medida que a empresa cresce.

Eles acharam mais eficaz ter cada equipe focada em uma ou duas coisas principais de cada vez, e depois passar para as próximas.

Murat diz que provavelmente eles vão implantar KPIs em um nível individual.

Mas, por enquanto, ele afirma que a equipe se auto-atribui bem as responsabilidades, desde que conheçam bem o foco principal.

Empresa: Segment – Palavra-chave: Colaboração

colaboração
Nos primeiros dias, a Segment com 20 a 30 funcionários, apenas faziam “o que tinha que ser feito” para fazer a empresa crescer.

Quando chegaram a 50-60 funcionários, o co-fundador e CEO Peter Reinhardt percebeu que eles precisavam ter mais bem definidas as metas da empresa.

A equipe precisava de um contexto por trás do que estavam trabalhando e começou a adotar uma abordagem colaborativa para estabelecer metas anuais.

Agora, em 130 membros, a diretoria conseguiu melhorar a definição dos objetivos em torno do que eles queriam realizar, e depois orientaram a equipe em torno desses objetivos.

Peter elaborou o plano anual, completando cerca de 60%.

Em seguida, a equipe executiva dá feedback contribuindo com cerca de 20% até chegarem a 80% completos.

O resto da equipe que faz seus comentários e trabalham os objetivos e atividades por trimestre até o plano estar completo.

Empresa: FareHarbor – Palavra-Chave: Satisfação do cliente

satisfação
Além dos gerentes de equipe da FareHarbor, o resto da empresa é estruturada com uma hierarquia plana.

Agora, com mais de 135 pessoas, o foco está em trabalhar no objetivo comum de melhorar a experiência do cliente e os gerentes estão trabalhando juntos para fazer isso acontecer.

O co-fundador e CEO Lawrence Hester usa KPIs para ajudar todos a se moverem para o mesmo objetivo (mas deixando essas KPIs de maneira flexível).

Uma vez por mês eles reavaliam a forma como os KPIs estão fazendo a empresa crescer.

A liderança da FareHarbor explica à equipe que, mesmo eles tendo KPIs, se as métricas não estão direcionarem o negócio ou ajudar a equipe a crescer profissionalmente, eles vão mudar as KPis.

Como eu posso defino as minhas metas?

Quando se trata de estabelecer metas, cada empresa possui sua própria abordagem.

Inspire-se nesses exemplos para criar as suas próprias metas.

Lembrando sempre de seguir a cultura da sua empresa e da sua equipe.

Veja também nossa artigo sobre como avaliar a performance da sua equipe de vendas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *